ATUALIZAÇÃO

UPADATE


Síndrome Locomotora: um importante conceito no envelhecimento

Locomotive Syndrome: An Important Concept in Elderly

  • Recebido: 20 de Março de 2017
  • Aprovado: 16 de Abril de 2017
  • Publicado: 01 de Fevereiro de 2018
  • Atualidades Médicas - Volume 1 - Edição nº 2 - Ano 2017 - Julho, Agosto
  • Páginas: 40-46
  • DOI:

© Copyright MRCOM. Todos os direitos reservados.

Resumo

Existe uma preocupação, cada vez maior, com o que diz respeito aos problemas locomotores associados ao envelhecimento. Assim, um novo conceito emerge entre os idosos, a Síndrome Locomotora (Slo), afecção decorrente do comprometimento de um ou mais componentes do sistema locomotor dos idosos levando à perda da funcionalidade e à necessidade futura de cuidados de enfermagem. Lembrando-se, aqui, que os distúrbios musculoesqueléticos são os principais responsáveis pela necessidade de cuidados de enfermagem, a longo prazo. O termo Slo foi originalmente proposto no Japão e, recentemente, introduzido no nosso meio, referindo-se aos individuos com “mobilidade” reduzida ou com risco de desenvolvê-la. O melhor conhecimento da Slo pelos profissionais da saúde que prestam atendimento à populaçao idosa melhoraria o gerenciamento da saúde daqueles individuos e possibilitaria propostas individualizadas capazes de prevenir ou postergar a progressão da deterioração do sistema locomotor. Um instrumento de muito fácil manuseio, o GLFS 25-P, cuja tradução, adaptação e validação (do “25-question Geriatric Locomotive Function Scale – GLFS 25”) para o português do Brasil foi recentemente obtido, promete auxiliar no rastreio dos idosos com Slo. A divulgação dessa ferramenta também poderia favorecer a identificação dos idosos com maiores riscos de incapacidade relacionada aos orgãos locomotores.

Summary

There is a growing concern with locomotive problems associated with aging. Thus, a new concept emerges among the elderly, a Locomotive Syndrome (Slo), a condition resulting from the impairment of one or more components of the locomotor system of the elderly, leading to the loss of functionality and the future need for nursing care. Recalling, here, that disorders are constituted by a need for nursing care, a long term. The term Slo was originally proposed in Japan and recently introduced in our country, referring to individuals with reduced or at risk of “mobility”. Better knowledge of Slo by health professionals who provide care to the elderly population would improve the health management of these individuals and enable individualized proposals capable of preventing or delaying the progression of the deterioration of the locomotor system. A very easy-to-handle instrument, the GLFS 25-P, whose translation, adaptation and validation (from the “25-question Geriatric Locomotive Function Scale – GLFS 25”) into Brazilian Portuguese has recently been obtained, promises to assist the screening of the elderly with Slo. The dissemination of this tool could also favor the identification of the elderly with greater risks of incapacity related to the locomotor organs.

Unitermos/Uniterms

  • GLFS-25
  • Idoso
  • locomotora
  • Síndrome
  • Elderly
  • Locomotive
  • Syndrome
  • GLFS-25

Introdução

O aumento na expectativa e esperança de vida fomentam uma preocupação em relação à independência e funcionalidade da parcela longeva da população. Sabe-se que o envelhecimento afeta diversos aspectos da vida diária, incluindo a dificuldade progressiva na mobilidade. Assim, uma atividade simples como uma caminhada, que envolve padrões de movimentos minuciosamente controlados, se comprometida por disfunções de quaisquer natureza no aparelho locomotor, também teria o potencial de prejudicar a funcionalidade e a qualidade de vida.

A maior prevalência de doenças crônicas acometendo esses órgãos e o número crescente de cirurgias ortopédicas entre os idosos vem aumentando a preocupação com a saúde locomotora desses indivíduos. Como, por exemplo, pode-se dizer que o sucesso em um tratamento cirúrgico envolvendo o aparelho locomotor costuma ser afetado, de forma significativa, pela mobilidade e força muscular no pré-operatório, como já bem documentado em relação à importância da força no quadríceps para o desfecho da artroplastia do joelho.1,4

O aumento na prevalência de doenças musculoesqueléticas, incluindo a osteoartrite, a osteoporose, a espondilose lombar, a estenose lombar e as fraturas acaba por gerar um grande impacto na saúde pública mundial. No Japão, as fraturas por osteoporose e queda estão em quarto lugar e a osteoartrite em quinto lugar entre as condições que mais causam dependência e que, posteriormente, levam à necessidade de auxílio nas atividades básicas de vida diária (ABVDs). 5,6

O sistema locomotor realmente tem uma importância peculiar na manutenção da qualidade de vida dos idosos, pois sua função afeta diretamente as ABVDs desses indivíduos. E, nesse contexto, a Associação Ortopédica Japonesa (JOA) propôs, em 2007, o termo Síndrome Locomotora (SLo), visando identificar uma condição com mobilidade reduzida ou com risco de desenvolvê-la, consequente ao comprometimento de um ou mais componentes do sistema locomotor. Assim, pode-se prever a perda de funcionalidade e uma maior necessidade de cuidados de enfermagem. 7,8

Epidemiologia

Um estudo transversal japonês mostrou uma estimativa de prevalência da SLo em torno de 8,4% na década de 40, segundo o GLFS-25, e esta permaneceu estável até a década de 60. No entanto, aumentou rapidamente na década de 70, quando atingiu 16,3% da população. O número total de indivíduos, entre 40 e 70 anos de idade, com Slo, no Japão, foi de aproximadamente 6,5 milhões 18. A prevalência foi maior nas mulheres do que nos homens e os quadros mais graves estavam associados à dor no joelho, osteoporose, sarcopenia e doença da coluna lombar.

Fatores de risco e causais da SLo

Os principais componentes do sistema locomotor são os ossos, as articulações, os discos intervertebrais e os músculos. E o comprometimento de qualquer um desses componentes que desencadeie dor, fraqueza ou instabilidade pode prejudicar a mobilidade e, assim, consequentemente impactar negativamente na qualidade de vida, independência e funcionalidade do indivíduo, com aumento da probabilidade de necessidade de cuidados de saúde. 9

Na prática clínica, as principais comorbidades associadas ao comprometimento da função locomotora são as doenças degenerativas dos discos intervertebrais (espondilose, hérnia de disco lombar e cervical) e das cartilagens articulares (osteoartrite de coluna, quadril e joelho).

As doenças do aparelho locomotor quando acompanhadas de dor são especialmente relacionadas a prejuízos na mobilidade, principalmente se localizadas em joelho e/ou coluna lombar. A osteoporose, a fratura por fragilidade e a estenose do canal vertebral também estão comumente associadas ao comprometimento da mobilidade. 9,10,11

A sarcopenia também está associada a SLo, pois ambas apresentam desempenho físico prejudicado e marcha lentificada. Em idosos com fragilidade a SLo e a sarcopenia representam, provavelmente, as consequências de uma alteração permanente da homeostase.

Indivíduos com SLo parecem ter alto risco de queda. Um estudo mostrou alta incidência de queda entre idosos com SLo (34,2%),12 e esta mostrou-se maior que na população geral de idosos, cuja porcentagem é aproximadamente 15-20%.13 Os portadores da SLo que apresentam dor ou outro sintoma musculoesquelético grave possuem um risco ainda maior de queda e também de fratura.

SLo versus fragilidade

SLo e fragilidade são termos similares. O conceito de “fragilidade” é usado para identificar idosos com alto risco de morte, incapacidade e institucionalização, enquanto o conceito de SLo é usado mais específicamente para identificar idosos frágeis fisicamente e com disfunção musculoesquelética sem comprometimento social e cognitivo geralmente. 14

O conceito SLo está incluído na fragilidade física, que por sua vez apresenta 3 componentes. 14

Rastreamento da SLo

Sinais e sintomas como dor, limitação da mobilidade e marcha lentificada podem colaborar para o reconhecimento precoce da SLo. Okubo, em 2014, sugeriu 7 sinais de alarme para a SLo: não conseguir colocar as meias apoiado em uma única perna, frequentemente tropeçar ou escorregar dentro de casa, precisar segurar no corrimão para subir escadas, ter dificuldade para fazer atividades domésticas de moderada intensidade, ter dificuldade para carregar 2 kg de compras até em casa, não ser capaz de andar 15 minutos sem parar e não conseguir atravessar a rua antes do semáforo ficar vermelho. 15

Encontram-se disponíveis algumas ferramentas auto-aplicáveis para o rastreamento dos indivíduos com a SLo e, dentre elas, o instrumento “25-question Geriatric Locomotive Function Scale – GLFS 25”16. Esse questionário foi recentemente traduzido, adaptado transculturalmente e validado para o Brasil, o GLFS 25-P (quadro 1)17. O instrumento citado refere-se a uma escala multidimensional de 25 itens graduados de 0 a 4, com os escores finais variando de 0 a 100. Foram estabelecidos 6 diferentes domínios para tal ferramenta: dor (4 perguntas), cognição (2 perguntas), dificuldades relacionadas com o movimento (3 perguntas), cuidados diários (5 perguntas), itens associados às atividades sociais (4 perguntas) e questões relativas à funcionalidade na vida diária (7 perguntas). Referente ao último domínio, o qual foi considerado como sendo ’chave’, observou-se forte associação com os demais16. Seichi e Cols sugeriram como escore de corte a pontuação 16 como aquela identificadora do risco da Slo, assim, quanto maior a pontuação, maiores os comprometimentos.

Ainda auxiliam na abordagem da SLo a avaliação de dependência nos cuidados, a velocidade de marcha, o teste senta e levanta, o teste de dois passos, o teste de agachamento e outros testes de desempenho funcional.

Quadro 1 – GLFS 25-P: versão traduzida, adaptada transculturalmente, e validada para o Brasil.

ESCALA GERIÁTRICA DA FUNÇÃO LOCOMOTORA DE 25 ITENS (GLFS 25-P)
As perguntas a seguir serão sobre a sua condição de saúde e hábitos de vida diários, relacionados às suas costas e membros (inferiores e superiores). Por favor, responda considerando a sua condição neste último mês.
¦ Seguem abaixo perguntas sobre suas dores no corpo no último mês.
1. Você teve dor (incluindo dormência) no seu pescoço ou membros superiores (ombros, braços ou mãos)?
▢ Sem dor ▢ Dor leve ▢ Dor moderada ▢ Dor grave ▢ Dor muito grave
2. Você teve dor nas costas, região lombar ou nádegas?
▢ Sem dor ▢ Dor leve ▢ Dor moderada ▢ Dor grave ▢ Dor muito grave
3. Você teve dor (incluindo dormência) nos seus membros inferiores (quadril, coxa, joelho, panturrilha, canela, tornozelo ou pé)?
▢ Sem dor ▢ Dor leve ▢ Dor moderada ▢ Dor grave ▢ Dor muito grave
4. Até que ponto tem sido doloroso movimentar seu corpo no dia a dia?
▢ Sem dor ▢ Dor leve ▢ Dor moderada ▢ Dor grave ▢ Dor muito grave
¦ Seguem abaixo perguntas sobre seus hábitos de vida diários, considerando o último mês.
5. Até que ponto tem sido difícil levantar da cama ou deitar?
▢ Sem dificuldade ▢ Pouca dificuldade ▢ Moderada dificuldade ▢ Muita dificuldade ▢ Extrema dificuldade
6. Até que ponto tem sido difícil levantar da cadeira?
▢ Sem dificuldade ▢ Pouca dificuldade ▢ Moderada dificuldade ▢ Muita dificuldade ▢ Extrema dificuldade
7. Até que ponto tem sido difícil caminhar dentro de casa?
▢ Sem dificuldade ▢ Pouca dificuldade ▢ Moderada dificuldade ▢ Muita dificuldade ▢ Extrema dificuldade
8. Até que ponto tem sido difícil vestir e tirar uma blusa?
▢ Sem dificuldade ▢ Pouca dificuldade ▢ Moderada dificuldade ▢ Muita dificuldade ▢ Extrema dificuldade
9. Até que ponto tem sido difícil vestir e tirar as calças?
▢ Sem dificuldade ▢ Pouca dificuldade ▢ Moderada dificuldade ▢ Muita dificuldade ▢ Extrema dificuldade
10. Até que ponto tem sido difícil usar o banheiro?
▢ Sem dificuldade ▢ Pouca dificuldade ▢ Moderada dificuldade ▢ Muita dificuldade ▢ Extrema dificuldade
11. Até que ponto tem sido difícil lavar o seu corpo durante o banho?
▢ Sem dificuldade ▢ Pouca dificuldade ▢ Moderada dificuldade ▢ Muita dificuldade ▢ Extrema dificuldade
12. Até que ponto tem sido difícil subir e descer escadas?
▢ Sem dificuldade ▢ Pouca dificuldade ▢ Moderada dificuldade ▢ Muita dificuldade ▢ Extrema dificuldade
13. Até que ponto tem sido difícil andar rápido?
▢ Sem dificuldade ▢ Pouca dificuldade ▢ Moderada dificuldade ▢ Muita dificuldade ▢ Extrema dificuldade
14. Até que ponto tem sido difícil se manter arrumado (a)?
▢ Sem dificuldade ▢ Pouca dificuldade ▢ Moderada dificuldade ▢ Muita dificuldade ▢ Extrema dificuldade
15. Quanto você consegue andar sem descansar? (por favor, selecione a melhor resposta)
▢ Mais de 2-3km ▢ Aproximadamente 1km ▢ Aproximadamente 300m ▢ Aproximadamente 100m ▢ Aproximadamente 10m
16. Até que ponto tem sido difícil visitar seus vizinhos?
▢ Sem dificuldade ▢ Pouca dificuldade ▢ Moderada dificuldade ▢ Muita dificuldade ▢ Extrema dificuldade
17. Até que ponto tem sido difícil carregar objetos pesando aproximadamente 2 kg (2 caixas de leite ou 2 garrafas de 1 litro cada)?
▢ Sem dificuldade ▢ Pouca dificuldade ▢ Moderada dificuldade ▢ Muita dificuldade ▢ Extrema dificuldade
18. Até que ponto tem sido difícil usar o transporte público?
▢ Sem dificuldade ▢ Pouca dificuldade ▢ Moderada dificuldade ▢ Muita dificuldade ▢ Extrema dificuldade
19. Até que ponto tem sido difícil realizar as tarefas simples do lar (cozinhar, limpar, etc.)?
▢ Sem dificuldade ▢ Pouca dificuldade ▢ Moderada dificuldade ▢ Muita dificuldade ▢ Extrema dificuldade
20. Até que ponto tem sido difícil realizar as tarefas pesadas do lar (limpar o quintal, carregar roupas de camas pesadas, etc.)?
▢ Sem dificuldade ▢ Pouca dificuldade ▢ Moderada dificuldade ▢ Muita dificuldade ▢ Extrema dificuldade
21. Até que ponto tem sido difícil praticar atividades esportivas (caminhar rápido, nadar, jogar bola, dançar)?
▢ Sem dificuldade ▢ Pouca dificuldade ▢ Moderada dificuldade ▢ Muita dificuldade ▢ Extrema dificuldade
22. Você tem sido limitado (a) de encontrar seus amigos?
▢ Sem limitação ▢ Algumas vezes limitado (a) ▢ Limitado (a) metade das vezes ▢ Muitas vezes limitado (a) ▢ Desisti de todas as atividades
23. Você tem sido limitado (a) de frequentar atividades sociais (encontrar amigos, praticar esportes, lazer e hobbies, etc.)?
▢ Sem limitação ▢ Algumas vezes limitado (a) ▢ Limitado (a) metade das vezes ▢ Muitas vezes limitado (a) ▢ Desisti de todas as atividades
24. Você já se sentiu com medo de cair dentro de casa?
▢ Não me senti com medo ▢ Quase nunca me senti com medo) ▢ Às vezes me senti com medo ▢ Quase sempre me senti com medo ▢ Constantemente me senti com medo
25. Você já se sentiu com medo de não poder andar no futuro?
▢ Não me senti com medo ▢ Quase nunca me senti com medo) ▢ Às vezes me senti com medo ▢ Quase sempre me senti com medo ▢ Constantemente me senti com medo

Intervenções na SLo

Dado o aumento da proporção de idosos na população mundial, urgentemente, torna-se necessária uma estratégia de intervenção abrangente voltada à prevenção de disfunções dos órgãos locomotores.

Vale ressaltar a importância de uma abordagem ampla sobre o conjunto de fatores de risco e causais na SLo, e início de tratamento das comorbidades associadas com otimização de medicamento, redução da dor e desenvolvimento de exercícios visando manutenção da resistência óssea. 19

A atividade física é o ponto chave na prevenção da SLo e, de forma importante, a Sociedade Japonesa tem investido muito na propagação de exercícios simples e na educação da sociedade para adotar tais exercícios como rotina no dia-a-dia. O treino envolve uma sequência de dois movimentos, denominado “Loco – Tre”, compreendido por agachamentos e exercícios com apoio em apenas uma perna, conforme ilustrado nas figuras abaixo 14,20

Figura 1 – Exercícios “Loco-Tre” – Adaptado de Tavares et al 21.

Figura 2 – “One Leg Standing” – Adaptado de Tavares et al 21.

Uma intervenção de dois meses com o “Loco-Tre” demonstrou melhora importante no desempenho em testes funcionais e testes de equilíbrio em idosos, associado a uma adesão de quase 70% pela facilidade na execução e praticidade dos exercícios, mesmo em longevos, principalmente por ser de fácil execução e prático a ponto de poder ser realizado em qualquer lugar. 22,23,24

É importante também a associação com exercícios aeróbicos, no intuito de reduzir e controlar o peso corporal e auxiliar na prevenção e tratamento das doenças relacionados à Síndrome Metabólica, diante da sua íntima relação com a SLo. Recomendamos que o plano de intervenções seja sempre prescrito com base na avaliação do tipo da SLo e das comorbidades presentes.

Considerações finais

O rastreio precoce da SLo em idosos e a implementação de estratégias individualizadas preventivas, ou de tratamento, conduziriam à prevenção de sua progressão e, também, a frequência de queda e fratura associada, melhorando, consequentemente, a qualidade de vida no envelhecimento.

A disseminação, no Brasil, do conceito SLo como uma complexa disfunção musculoesquelética poderia direcionar a um melhor gerenciamento da saúde dos idosos no nosso meio, pois levaria a maior atenção em prevenir ou postergar a progressão da deterioração do sistema locomotor e, assim, também levaria a maior expectativa de vida saudável, ativa, e com independência.

Referências Bibliográficas

  1. Nakamura K, Ogata T et al. Locomotive Syndrome: definition and management. Clinic Rev Bone Miner Metb 2016; 14:56-67.
  2. Kadono Y, Yasunaga H, Horiguchi H, Hashimoto H, Matsuda S, Tanaka S, et al. Statistics for orthopedic surgery 2006-2007: data from the Japanese Diagnosis Procedure Combination database. J Orthop Sci 2010; 15(2):162-70.
  3. Meier W, Mizner RL, Marcus RL, Dibble LE, Peters C, Lastayo PC. Total Knee arthroplasty: muscle impairments, functional limitations, and recommended rehabilitation approaches. J Orthop Sports Phys Ther 2008; 38(5):246-56.
  4. Stevens-Lapsley JE, Balter JE. Kohrt WM, Eckhoff DG. Quadriceps and hamstrings muscle dysfunction after total knee arthroplasty. Clin Orthop Relat Res 2010; 468(9):2460-8.
  5. Yoshimura N, Nakamura K. Epidemiology of locomotive organ disorders and symptoms: an estimation using the population-based cohorts in Japan. Clin Rev Bone Miner Metab 2016; 14:68-73.
  6. Ministry of Health, Labour and Welfare. The outline of the results of National Livelihood survey 2013. http://www.mhlw.go.jp/toukei/saikin/hw/k-tyosa/k-tyosa13/dl/06.pdf (in Japanese).
  7. Nakamura KA. “Super-aged” society and the “locomotive syndrome”. J Orthop Sci 2008; 13:1-2.
  8. Nakamura K. The concept and treatment of locomotive syndrome: its acceptance and spread in Japan. J Orthop Sci. 2011;16(5):489–91.
  9. Japanese Orthopaedic Association new patient survey 2012. https://joa.or.jp/jp/media/comment/pdf/investigation_2012.pdf.2016 (in Japanese).
  10. Ebrahim S, Wannamethee SG, Whincup P, Walker M, Shaper AG. Locomotor disability in a cohort of British men: the impact of lifestyle and disease. Int J Epidemiol. 2000; 29(3):478-86.
  11. Muller S, Thomas E, Peat G. The effect of changes in lower limb pain on the rate of progression of locomotor disability in middle and old age: evidence from the NorStop cohort with 6-year follow up. Pain. 2012;153(5):952-9.
  12. Matsumoto H, Nakaso N, Matsuura A, Akita T, Hagino H. Relationship between severity of locomotive syndrome and the incidence of falling, prevalence of low bone mass, and sarcopenia. Rigaku Ryohogaku 2016; 43:36-46. [in Japanese]
  13. Yasumura S, Haga H, Nagai H, Suzuki T, Amano H, Shibata H. Rate of falls and the correlates among elderly people living in an urban community in japan. Age Ageing 1994; 23:323-7.
  14. Mastumoto H, Hagino H, Wada T, Kobayashi E. Locomotive syndrome presents a risk for falls and fractures in the elderly Japanese population. Osteoporosis and Sarcopenia 2016;1-8.
  15. Okubo T, Suchara Y, Kawasaki T, Akaike K, Toda M, Okubo N, et al. An outpatient-based survey about the recognition of locomotive syndrome and the results of the loco-check at a university hospital in Tokyo. Br J Med Res 2014; 4(17): 3255-68.
  16. Seichi A. Hoshino Y, Doi T, Akai M, Tobimatsu Y, Iwaya T. Development of a screening tool for risk of locomotive syndrome in the elderly: the 25-question geriatric locomotive function scale. J Orthop Sci 2012; 17: 163-72.
  17. Tavares DRB, Santos FC. Síndrome Locomotora em idosos: tradução, adaptação cultural e validação brasileira do instrumento “25-Question Geriatric Locomotive Function Scale”. Rev Bras Reumatol 2016.
  18. Kimura A, Seichi A, Konno S, Yabuki S, Hayashi K. Prevalence of locomotive syndrome in Japan: a nationwide cross-sectional internet survey. J Orthop Sci 2014; 19:792-7.
  19. Akai M, Doi T, Seichi A, Okuma Y, Ogata T, Iwaya T. Locomotive Syndrome: Operational Definition Based on a Questionnaire, and Exercice Interventions on Mobility Dysfunction in Elderly People. Clinic Rev Bone Miner Metab (2016) 14: 119-130.
  20. Challenge for locomotive syndrome. https://locomo-joa.jp/en/index.pdf
  21. Tavares DRB, Santos FC, Trevisani VFM. Locomotive syndrome: a new concept in the elderly. In: Bersani ALF, Santana MVA. Impacts and Prevention. Editorial académica española; 2017. p.37-44. .
  22. SasakiK, Sugita T, Kikuchi Y, Ohta M, Hosokawa N, Higai S, et al.The efficacy of locomotive training for the elderly population with locomotive syndrome. J East Jpn Assoc Orthop Traumatolol 2012;24:53-6.
  23. Maruya K, Hiroaki F, Arai T, Ishibashi H. Exercice interventions for improving motor function in community-dwelling middle-age and elderly:effects due to differences in body mass index. Osteoporos Jpn 2015;23:99-107.
  24. Hosoi T, Fujita H, Arai T, Ishibashi H. The functional characteristics of people who continued locomotive training. Rigakuryoho Kagaku 2012; 27:407-10.

Notas

Conflito de interesses
Os autores não apresentam conflito de interesses.

Autor correspondente

Fânia Cristina dos Santos - faniacs@uol.com.br