ARTIGO ORINAL

ORIGINAL ARTICLE


Estudo clínico epidemiológico da hanseníase com unidades analíticas multidimensionais

Leprosy clinic-epidemiological study by multidimentional analytical units

  • Recebido: 03 de Maio de 2018
  • Aprovado: 18 de Junho de 2018
  • Publicado: 26 de Fevereiro de 2019
  • Atualidades Médicas - Volume 2 - Edição nº 4 - Ano 2018 - Julho, Agosto
  • Páginas: 152-163
  • DOI:

© Copyright MRCOM. Todos os direitos reservados.

Resumo

Objetivo: Investigar e interpretar flutuações na distribuição de frequência das notificações de hanseníase em intervalo de tempo definido através de comparações com unidades analíticas multidimensionais, em hospital terciário. Métodos: Estudo comparativo multifásico observacional transversal descritivo de retro-análise. Dados obtidos na Unidade de Vigilância em Saúde do Hospital e Maternidade Celso Pierro, PUC-Campinas, segundo protocolo de coleta, a partir das Fichas de Notificação de Hanseníase, referentes ao período de 2007 a 2014. Associações estudadas pelos testes de Goodman e não paramétrico de Kruskal-Wallis complementado com as comparações múltiplas de Dunn. Resultados: Acerca de variações entre os períodos (intergrupos), notou-se significância localizada no interior do modo de detecção; na análise intragrupos, constatou-se o predomínio do sexo masculino, baciloscopia negativa, casos paubacilares, poliquimioterapia-12doses, numerosas lesões, grau zero de incapacidade física, caso novo e em modo de detecção, encaminhamento. Conclusões: Embora observada significância estatística na variável encaminhamento, trata-se de variação focal que não define tendência; demais achados apontam características com certo grau de divergência entre si, como o predomínio da classificação operacional paubacilares, concomitante à baciloscopia negativa, porém com alta porcentagem de numerosas lesões dermatológicas. Aparentes inadequações nos processos de diagnóstico, classificação, notificação e manuseio de casos novos de hanseníase alertam para a possibilidade de fatores operacionais atuando no registro dos achados relatados. A obtenção da viabilidade da metodologia adotada poderá permitir sua contribuição para avaliações das mudanças terapêuticas anunciadas para o controle da doença a nível mundial.

Summary

Aims: To investigate and to interpret fluctuations in the frequency distribution of leprosy notifications in a defined time period in a reference hospital, with the adoption of comparisons with different extension analytic units. Methods: This is a comparative observational cross-sectional study. Data have been obtained from the Health Surveillance Unit of the Hospital and Maternity Celso Piero, Puc Campinas, using a standard protocol to leprosy notifications sheets, refering to the 2007-2014 period. Goodman and non parametric Kruskall Wallis´ tests have been applied to explore associations. Results: Variation between periods was significant only in one variable (way of detection); in the intragroup analysis predominance was observed for man, negative baciloscopy, paucibacillary case, 12 doses multidrugtherapy, many lesions, zero degree of physical disabilities, newly diagnosed cases and reference as way of detection. Conclusions: The observed significance in the variable way of detection is considered as localized and without tendency formation. Clinical and therapeutical aspects present some degree of divergence, as the predominance of operational classification paucibacillary at the same time of high percentage of many skin lesions. Apparent improprieties in the process of diagnosis, classification and handling of new leprosy cases point to operational factors acting on the origin of reported findings. Acquisition of factibility of adopted methodology holds the possibility of been used in the evaluations of the just announced new therapeutic changes in the control of the disease over the world.

Unitermos/Uniterms

  • Hanseníase
  • Epidemiologia
  • Saúde Pública
  • Leprosy
  • Epidemiology
  • Public Health

Introdução

A hanseníase constitui uma das doenças reconhecidas como negligenciadas a nível mundial, mantendo-se presentes ainda atualmente numerosos desafios para respectivas superação e prevenção, dos quais o mais destacado tem sido sua própria eliminação1 . No conjunto de razões envolvidas nesse contexto, está a realidade da notificação de casos novos, de que se tem relatado uma série de possíveis vieses, dadas as condições em que se verifica. Pessoal não suficientemente qualificado, instalações impróprias, recursos diagnósticos escassos e tempo de atendimento reduzido são alguns dos fatores mencionados como atuantes nessa situação2 : até a identidade dos doentes segundo a classificação operacional considerada básica de pauci ou multibacilar já foi recentemente questionada e investigada entre nós3 .

Em decorrência, o objetivo da presente comunicação consiste em investigar o processo de notificação epidemiológica da hanseníase a nível local, através da adoção de metodologia quantitativa voltada a exploração de eventuais variações temporais, com aplicação comparativa de unidades analíticas multidimensionais.

Material e Métodos

Trata-se de estudo comparativo multifásico observacional transversal descritivo de retro-análise4 .

Os dados foram obtidos na Unidade de Vigilância em Saúde (U.V.E.) do Hospital e Maternidade Celso Pierro (HMCP) da PUC-Campinas segundo protocolo de coleta, a partir das Fichas de Notificação de Hanseníase do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), referentes ao período de 2007 a 2014.

A digitalização e o armazenamento ocorreram pela adoção padronizada de plataforma de dados primários de alimentação contínua, adredemente preparada segundo respectivo protocolo específico fazendo-se uso do programa Microsoft Office Excel 2010. O processamento dos dados informatizados foi obtido através do software SPSS. Para estudo das associações entre atributos e as categorias de resposta foram utilizados os testes de Goodman5,6 e o não paramétrico de Kruskal-Wallis complementado com as comparações múltiplas de Dunn7 , ao nível de 5% de significância8 e os resultados apresentados sob forma tabular9 .

Este estudo constitui parte de amplo projeto aprovado pelo Comitê de Ética da Pesquisa em Seres Humanos da Puc Campinas (CAAE 18760413.0.0000.5481, Parecer 385.474).

Resultados

Os dados apurados referentes às variáveis qualitativas existentes na ficha de notificação epidemiológica da hanseníase em nosso meio são disponibilizados nas tabelas de 1 a 3 e às quantitativas na tabela 4. Respectivas informações resultantes estão consolidadas nos quadros de 1 e 2.

Discussão

Já desde pronto, observa-se, do apresentado, a confirmação de algumas divergências operacionais presentes nos registros acessados, as quais já tinham sido anteriormente cogitadas em observação de duração menor10. Trata-se do predomínio da classificação de paucibacilares concomitante ao da baciloscopia negativa, coexistindo com alta porcentagem de numerosas lesões dermatológicas e uso de poliquimioterapia/12doses.

Tabela 1. Distribuição de frequência (%) das variáveis qualitativas segundo biênios estudados


Tabela 2. Distribuição de frequência (%) das variáveis qualitativas segundo triênios estudados


Tabela 3. Distribuição de frequência (%) das variáveis qualitativas segundo quadriênios estudados


Tabela 4. Mediana e valores mínimo e máximo das variáveis quantitativas, segundo unidades analíticas de diferentes extensões.

Quadro 1. Síntese dos dados relativos à comparação/predomínio da distribuição de frequência das variáveis qualitativas segundo períodos estudados

Quadro 2. Síntese dos dados relativos à comparação/ predomínio da distribuição de frequência das variáveis quantitativas segundo períodos estudados

Fato que também se destaca, é a consecução do objetivo primário da investigação, i.e. ter-se podido contar com disponibilidade e factibilidade metodológicas para comparações das variações bienais, trienais e quatrienais das características do agravo de interesse relatadas no referido instrumento.

Em relação a tal aplicação específica à UVE do HMCP de 2007 a 2014, não se detectaram diferenças significativas, apontando, assim, para estabilidade nos indicadores apreciados, quando se toma a perspectiva mais globalizante (quatrienal); mesmo para as mais detalhadas (bienal e trienal) tais condições foram patentes apenas em três das 14 variáveis estudadas (1 em 9 qualitativas e 2 em 5 quantitativas), todas de natureza operacional e nenhuma clínico-epidemiológica, quais sejam o modo de detecção e o intervalo entre o diagnóstico e a notificação e o início do tratamento.

Mencionado quadro revela-se compatível com a situação havida no período considerado, em que, na realidade, não se introduziram alterações destacadas nas estratégias de controle da moléstia e, em consequência, no declínio de sua ocorrência. No entanto, a contribuição da análise empreendida abre caminho para mais amplas aplicações a partir do presente quinquênio, durante o transcurso do qual é projetada pela Organização Mundial da Saúde mudança substancial no contexto, pela introdução do emprego de esquema terapêutico unificado para todas as formas da doença, com duração encurtada para apenas seis meses11 .

Com efeito, especialistas da área têm reagido fortemente a essa propositura12, fazendo lembrar o ocorrido há algumas décadas atrás, quando o mesmo organismo internacional introduziu a recomendação do uso da poliquimioterapia e os temores que se expressaram foram igualmente na direção da necessidade de evidências mais numerosas e profundas da eficácia do referido procedimento13. Poucos anos após, foi preconizada pela instituição como a estratégia de eliminação da doença no mundo, mas esta persiste na contemporaneidade com mesmo comportamento populacional, envolta em numerosas controvérsias quanto à não resolutividade do seu controle.14

Conclusões

Na investigação e interpretação de flutuações na distribuição de frequência das notificações de hanseníase em intervalo de tempo definido através de comparações com unidades analíticas multidimensionais, embora se tenha observado significância estatística na variável encaminhamento, trata-se de variação focal que não define tendência; demais achados apontam características com certo grau de divergência entre si, como o predomínio da classificação operacional paubacilares, concomitante à baciloscopia negativa, porém com alta porcentagem de numerosas lesões dermatológicas. Aparentes inadequações nos processos de diagnóstico, classificação, notificação e manuseio de casos novos de hanseníase alertam para a possibilidade de fatores operacionais atuando no registro dos achados relatados. A obtenção da viabilidade da metodologia adotada poderá permitir sua adoção e contribuição para avaliações das mudanças terapêuticas anunciadas para o controle da doença a nível mundial.

Referências Bibliográficas

  1. Lockwood DNJ, Shetty V, Penna GP. Harzards of setting targets to eliminate disease: lessons from the leprosy elimination campaign. British Medical J. 2014;348:1-5.
  2. Bassaneze B, Gonçalves A, Padovani CR. Características do processo de diagnóstico de Hanseníase no atendimento primário e secundário. Diagn & Trat. 2014;19(2):61-7.
  3. Crespo MJIC, Gonçalves A, Padovani CR. Hanseníase: pauci e multibacilares estão sendo diferentes? Medicina (FMRP USP). 2014;47(1):43-50.
  4. Almeida Filho N. Epidemiologia sem números: uma introdução crítica à ciência epidemiológica. Rio de Janeiro: Campus; 1989.
  5. Goodman LA. Simultaneous confidence intervals for contrasts among multinomial populations. Annals of Math Statis. 1964;35(2):716-725.
  6. Goodman LA. Simultaneous confidence intervals for multinomial populations. Technometrics . 1965;7(2):247-254.
  7. Zar JH . Biostatistical analysis. 5a ed. New Jersey: Prentice Hall; 2009.
  8. Gonçalves A. Os testes de hipóteses como instrumental de validação da interpretação (estatística inferencial). In: Marcondes MA, Lakatos EM. Técnicas em pesquisas. São Paulo: Atlas; 1982.
  9. Padovani CR. Bioestatística. São Paulo: Cultura Acadêmica; 2012.
  10. Salles BO, Gonçalves A, Padovani CR. Perfil epidemiológico da hanseníase em hospital universitário de Campinas, SP: explorando fichas de notificação. Hansenol Internat. 2016;40(2):36-47.
  11. World Health Organization. Universal Elimination of Leprosy: Towards zero disabilities among new child cases - Plan period: 2016-2020. Geneva: WHO; 2015.
  12. Noto S. Patients have to be treated according to the manifestations of their disease. Lepr Mail List (Bergamo, Italy); 2015 Nov 19.
  13. Gonçalves A, Gonçalves NNS. A poliquimioterapia na hanseníase, com especial referência ao Brasil. Bras Med. 1986;23(1-4):5-10.
  14. Rao PN, Dogra S, Suneetha S. Global leprosy program: Does it need uniform-multi-drug therapy now? Indian Dermatol Online J. 2015;6:425-7.

Autor correspondente

Aguinaldo Gonçalves - aguinaldogon@uol.com.br

Faculdade de Medicina – Pontifícia Universidade Católica de Campinas – Campus II
CEP 13060-904 - Av. John B. Dunlopp, SN
Tel. (19) 3343-6815